sábado, 1 de septiembre de 2012

Voz de entrelinhas

Ora, pensei que chegaria ontem
Mas hoje estou quase chegando
Até que as horas se acinzentem
Quando os peitos estiverem rasgando

Não dá pra mentir.
Pra chegar, às vezes, 
É preciso nunca partir.
Ficar. Sem os talvezes.

Nem um cá e nem um lá
Nascido de nenhum ventre
Sou um vento, o homem sem lar,
À noite, durmo entre os entres

No hay comentarios:

Publicar un comentario