lunes, 21 de mayo de 2012

Algum dos passados

Era uma manhã ensolarada, e eu esperava por alguma coisa em um gramado, debaixo das palmeiras, que faziam um pouquinho de sombra, suficiente pra amenizar o calor. Quando então eu ouvi o vendedor de algodão doce, com seu apito com um ritmo já conhecido. Talvez estivesse esperando isso... Então eu corri, com algumas moedas na mão, queria ser o primeiro a chegar, mas essa garotinha chegou primeiro.
- Tio, me dá um rosa! - ela ordenou com doçura.
- E eu quero um azul - eu disse, quase interrompendo de tanta pressa.
- Tá certo, deu sorte garoto, é o último azul. - ele disse, com seu bigode cheio e um sorriso amarelado, mas bonito.
- Ah, não quero mais o rosa, quero azul também! - ela disse de forma impertinente, que me deu raiva.

Depois de alguns minutos de discussão, o vendedor nos convenceu de dividirmos o rosa e o azul. Sentamos em algum lugar enquanto comíamos.

- Por que você queria o azul? Tinha um monte de rosa. - eu perguntei ainda pensando naquilo.
- Porque sim. - ponto final. - e por que você queria?
- Porque parecem nuvens.
- Mas as nuvens não são azuis. - Eu olhei pro céu, e mesmo que eu sempre soubesse que elas eram brancas, fiquei confuso - E as nuvens podem ser rosa também.
- Sim, de manhãzinha quando meu pai vai trabalhar as nuvens são rosa. E às vezes o céu fica vermelho.
- Mas o céu é azul - olhei mais uma vez pra cima antes de falar.
- E quem foi que disse que o céu tem que ser azul?
- Que cor é o seu olho? - uma coisa engraçada de criança é que elas precisam perguntar algumas coisas que parece que só as outras pessoas sabem, pois pra elas não faz muita diferença, como qual o nome da cor do cabelo, do olho, ou quantos anos têm.
- Castanho. Às vezes eles ficam verde.
- Então eu vou fazer um céu castanho com nuvens rosas.

Depois de um tempo percebemos que o sabor do algodão doce azul e rosa era o mesmo, mas nossa boca tinha um colorido maravilhoso. E eu também descobri o que estava esperando naquele dia, que ninguém sabe se existia.
Não importa quanto tempo demora até acontecer, como termina ou quanto tempo dura. O tempo não existe.

Quem sabe o que existe?









No hay comentarios:

Publicar un comentario