jueves, 1 de diciembre de 2011

A Queda De Um Serafim

Qual das minhas verdades é a verdade?
Quantas das meias verdades não passam de vaidade?
Eu tão jovem não pensei que enlouqueceria
Mas no vão do amor, sempre soube que me perderia...

Mas não passa a loucura
De uma podre fruta
Adoçada a beijos sob uma vinha
Amargada à solidão a se vingar

Esfomeado das palavras que, pra ti, não têm mais sentido,
O vício as repete a cada dia, na mente que parece latir.
Farta das parvoíces mais doces, mas que não saciam,
A virtude me leva à próxima lata de lixo em um siar...

No hay comentarios:

Publicar un comentario