martes, 13 de septiembre de 2011

Um pouco mais que nada

O homem que sonha atualmente é mendigo. O sonhador mendiga por uma palavra. Ninguém sonha pela paz, e essa palavra também não é amor. Ninguém mais é ingênuo o bastante para ousar um sonho pleno de felicidade, amor, paz e compreensão.
Ouça bem, pois é raro o que eu digo: O homem caça, escava, lavra... Tudo pela mediocridade do “mais”. Os desejos já não têm aquele louvor, bem como ele (o sonhador) pede pouco, um pouco mais que nada, é assim o mendigo.
Tudo o que sonhamos é “mais”: Um pouco mais de paz, um pouco mais de amor, um pouco mais de paciência.
A decadência da utopia é uma sentença definitiva, é a privação da esperança, em um mundo onde os sonhos dependem da bondade de qualquer esmola.

No hay comentarios:

Publicar un comentario