miércoles, 17 de agosto de 2011

Névoa dos Pampas

Um frio que invade os ossos
Mas aqui o intruso sou eu
Nadando em um mar inóspito
Um mar branco, do verde que morreu

Onde não se espera a noite
Pro orvalho chegar
E sempre é noite
Pro sol brilhar

E não é preciso tabaco
Nem mesmo fogo
Pra ver fumaça dançar
Um vinho de Baco
Um fauno
Faz o corpo esquentar

É a bruma tímida
Que não mostra nem um palmo
E não deixa lúcido
Mesmo o homem mais calmo...




No hay comentarios:

Publicar un comentario