jueves, 28 de julio de 2011

Poesias de Amor

Ah! A poesia...
Aquela que me vem em gotas
Enquanto estou apaixonado
Uma ou duas palavras, leves.
E quando estou com (um dos)
Corações partidos
Surgem mais uma vez
Mas desta, se vão em rios...
De lágrimas?

Talvez. Muito sal, muita lágrima,
Mas pouca alma
Pura água... com açucar
Pouco vinho, muito suco

A mesma velha veia que sugo
Que já cega e seca, nem o musgo
Nem podre ali está
Nem poderia estar

É só a cópia, que tenta
E consigo copula
É apenas uma farsa
Que consegue ser caçula
E que vira fardo, e vira culpa
Se revira, na mesma via
E uma vez mais, tenta...
Mas nunca virá