martes, 7 de septiembre de 2010

Uma Carta Que Voltou

Ainda assim não pejo, e confesso:
és meu tímido arrebate, meu doce assalto,
um tanto dolorido, mas ainda é sorriso.

Saí. A porta ficou aberta.
Escureceu. E fechei os olhos.
Caí. A mente é torta e aperta,
Amorteceu. E achei os sonhos.

E eu quase sei...
Que aos mortos se sepultam!
Mas antes se velam
Desculpe-me, portanto,
se reviro cinzas e ossadas
Mas o faço, pois ainda velo

1 comentario:

  1. Sempre é prazeiroso ler o que vc escreve! escreve tão bem! ;*

    ass: Priminha

    ResponderEliminar