domingo, 25 de septiembre de 2016

Gravidade

Nunca se poderá saber realmente
Mesmo que se mensure a distância
Nunca passará a sua frente
Qual a medida da importância.

De uma estrela até aqui
Será que é passado
Ou será que morri
em um breve instante dado!?

Ou será que foi antes de nascer
Que a gente selou aquele trato:
Não importa o que acontecer
Serei aquela sensação ao seu lado.

Aquela de que alguém sabe
Alguém sente...
Alguém que também cabe
Dentro da minha própria mente.

domingo, 14 de agosto de 2016

Hai Kai

Adentro em  mim
E mesmo assim ainda
Muito distante

miércoles, 19 de agosto de 2015

Intervértebra

Um

Do dual, espelho apontado
A existência me divide entre
o entre e o entre.. eu e outro

Do triângulo, do ventre...
do brilho do ouro
a chama da vela

Da ordem e do quadrado
Do pentagrama e do homem
Da magia, eu e ela... e os sentidos.

O Infinito nisso tudo contido
o mais Complexo
é simples reflexo
simples
é sempre
Descontínuo sempre
pra ser sempre
agora...

um ponto

.

sábado, 1 de agosto de 2015

Antes só do que comigo

Engulo-me a cada segundo.
Mas acontece que não passo pela garganta,
a coisa toda entala e volta pro mundo
tem coisa que ninguém aguenta

Eu parei pra pensar e decidi perguntar
leve-me ao seu líder
foi quando percebi que pode-se determinar
não quando eu quiser
mas que cometo erros pro meu próprio bem

Acontece que não faz a menor diferença isso tudo ser verdade
se eu diga ou não que me sinto assim também
pois ao mesmo tempo tudo isso é mentira, pura singularidade
queria eu apenas escolher o que mais convém...

martes, 31 de marzo de 2015

Hora de acordar

Eu olho o relógio desejo que sejam três horas mais tarde
Do escatológico hoje quando a preciosa fonte de fé é o fim.
Já descrente da cura para a praga que no peito arde

Que sorte a sua, pois me encontrar aqui é uma vaidade
Onde o agora é apenas um vento que não vem
Aqui, onde eu não estou aqui, o presente não é verdade

sábado, 24 de enero de 2015

Conjunção

Eu também
Tão bem
Eu tão bem
Não tão bem
Eu também não
Só pra não dizer
Não dizer que não
Não dizer também
Não me fazer tão bem
Dizer eu também.

jueves, 18 de septiembre de 2014

Diga com quem sonhas que direi quem és.

Significado dos sonhos:
Sonhar com pessoas muito precipitadas só pode ser sinal do próprio precipício.

lunes, 30 de diciembre de 2013

Em ser pensamento

Agora que não sou mais poeta ando pensando em ser poesia

domingo, 21 de abril de 2013

Torta de Amores

Você me ensinou uma lição muito importante no passado, depois de um jantar já frio e meio sem gosto:
- Sabe... esse tempo longe foi suficiente pra transformar a saudade na consciência de que eu não preciso de você.
Na época eu estava ainda saboreando e me deliciando com a sobremesa, acabei engasgando, e não respondi. Agora eu agradeço pelo tempo que você se foi. Mas eu responderia...
- Esse tempo longe de você me libertou do meu medo de morrer. Se eu não morri no primeiro dia, posso aguentar a vida toda. Obrigado pelo jantar, a sobremesa estava uma delícia.

jueves, 11 de abril de 2013

Resumo da realidade

As camadas respiram...

lunes, 21 de enero de 2013

Metáfora com 7 vidas

Peguei o gato no pulo,
E antes de se virar num casulo,
Ele me mordeu. Doeu.
Ele espalhou por aí que escapou.
Gato ingênuo... Pensa que é gênio.
Ele só não sabe que não sabe
Nem mentir e nem morder.

sábado, 19 de enero de 2013

Epitáfios

Hoje eu me dei conta de que a vida não passa da única chance que cada um tem pra acreditar em suas próprias mentiras. Não é a verdade que é amarga, mas o arrependimento daquele que deixou escapar esta chance.

jueves, 15 de noviembre de 2012

Miragem

Foda-se o que nunca foi, ou o que mais ficou. Eu sempre me apaixonei mais pelo que nunca existiu.

jueves, 1 de noviembre de 2012

Soneto da Vida Inacabada

Não me venha com esse papo arrombado que não cola.
Se me ver derrubado, nem tente colocar botas num gato.
Porque antes eu já coloquei um coelho na cartola

Não apareça, inocente, pra rimar café com cachaça
Porque não tem a mínima graça, já não amola
Arma boa é o olhar (que é mais barato e estilhaça)

Certo que nesse mundo eu não morro por alguma magia
Com isso e com tudo eu ando bem mais desconfiado.
O que me dói é a droga de uma hemorragia
E, de tanto aprender, o coração tá mais pra atrofiado

Eu não economizo sentimento nas escolhas certas
Mas... É, o mundo fode com tudo, a goela aperta...
E você pra onde vai? Direita ou esquerda?
Na corda bamba e ainda quer levar um balde de

sábado, 27 de octubre de 2012

Visão


A verdade é que antes de partir,
Eu quero te levar pra qualquer lugar.
Te levar aonde você deseja ir;
E no dia de acordar cedo, madrugar.

Antes preciso te despir,
Te absorvendo em cada poro.
Eu nem tenho como mentir.
Sabe-se a quem? Eu imploro!

Eu imploro, liberte-me!
Enquanto eu apenas choro.
Como? Vamos, pergunte-me!
Liberte-se, eu imploro!

Rasga dinheiro! Foda-se!
Vem e sente meu cheiro!
Rasga a vida! Contorce!
Me contorce inteiro…



E agora prova... E não chora!
Diz que não me quer.
Atreva, se você puder.
Negue todo o sonho que fulgora!

E agora? Olha bem no fundo
No fundo do nosso devir,
Bem no fundo da nossa
Única alma

Única alma…

E agora… Estamos juntos
Trata de me pedir
O que quer que possa
Que li na tua palma

Encontro na tua pele marfim
Algo em comum:
Um coração - que eu penhoro;
E uma alma - que insiste

E eu te conto - como pedes - enfim,

Que somos um.


Desculpa, quando eu choro





Mas eu sou a tua parte triste

martes, 9 de octubre de 2012

Quando um deus comete suicídio

Ninguém mata o amor de ninguém. A única causa mortis do amor é o suicídio.

viernes, 28 de septiembre de 2012

Enquanto o corpo está no porão

Este último gole foi o mais ardido, já nem lembrava o que bebia, o gosto era horrível com ou sem nome, mas em cada pensamento o fundo ecoava repetindo o quanto aquele era o pior gole. Pra tragar o cigarro teve que respirar fundo depois, pois segurava a tremedeira, soltou toda a fumaça antes de fazer cócegas no pulmão. Neste momento teve a certeza de que não prestava nem pra se matar aos poucos, e tentou rir da própria piada, mas quase chorou, quando percebeu que o pior gole tinha sido apenas o cansaço que ele engoliu em seco.
"o mais engraçado sobre desejar que tudo se foda" inspirou devagar o ar, cheirando o copo, como se fosse começar um discurso, mas continuou apenas pensando, "mesmo que apenas por alguns dias ou instantes" pausou ele, nos pensamentos conclusivos e mais filosóficos que só uma noite dessas de bar pode dar, e continuou, "é que isso só é possível porque cada coisa realmente tem um motivo para que ela simplesmente se foda".

sábado, 15 de septiembre de 2012

Inviso

Num ataque enfurecido e inesperado de raiva ele decidiu que recolheria todas as estrelas naquela noite, e fez mesmo. Prometeu frio, chuva e tempestades. Estava cansado de não fazer parte dos planos.
No meio da noite olhou para própria pele, e viu que era feita de ternuras e olhares; que mesmo imperfeita depositavam ali algum ânimo. E assim, exatamente no melhor dos berços, percebeu (e lembrou) que isso não importa a mínima: Seus invisíveis músculos estavam terrivelmente cansados, do calcanhar de aquiles até o coração. 
Nada nunca importa para ele, nem a mínima. A única coisa que restou foi a descrença nauseante em qualquer sensibilidade espontânea, que, de fato, nunca conheceu. Assim reinventou o mundo de todas as cores, fazendo questão de deixar pra trás tudo o que não queria, ou pelo menos pensava que não queria. Até foi numa dessas que deixou pra trás a alma, mas levou novas assombrações. 
Então depois de algumas horas de uma noite avermelhada, olhou pro nada e, otimista, começou a recriar tudo. 
Achou melhor começar por um par de sorrisos. Tentou criar pares de mãos dadas, mas elas escapavam, com frio nos ossos e no âmago. Mais tarde convenceu as peles de se tocarem e trocarem. Com sucesso, preparou a mesa do café para dois. Mas só ele, relutante, percebia que não fazia parte dos planos novamente. Ajeitou no chão os jornais que falavam sobre um mundo de céus coloridos e rios adocicados, com fotos desbotadas, de forma que se tornassem um separador entre ele e a poeira, e chamou de cama… Uma cama para uma pele com solidão, suor e cicatrizes. E já deitado ele lembrava de alguma notícia e de como esses papéis rasgam facilmente, enquanto olhava para a linha do horizonte de um ombro pálido, distante, e indiferente. 
Ele podia criar qualquer coisa, mas carregava consigo uma maldição: Ninguém nunca conseguia descobrir o que o machucava. Deste modo, recolocou as estrelas em seu lugar, por trás das nuvens que ainda demorariam pra ir embora, e com as mãos ao redor da chama de uma vela tratou de aquecer seu sangue, rezando pra que ninguém respirasse muito forte.

lunes, 3 de septiembre de 2012

Rectificandoque

Era como um pesadelo, mas eu estava acordado. E era pior: mais nítido, vívido, e muito mais real. Por mais absurdo, ou mais surreal que parecesse… ou mais doloroso.
E por saber que era um pesadelo, eu, lúcido, decidi não temer, e entreguei-me. Ri da cara de demônios, vi todos morrerem, eu perdi tudo, vi os ferimentos cicatrizarem. Enquanto eu ria de traições e do mundo que não compreendia, das muralhas que cresciam, dos monstros, enquanto eu observava os órgãos que paravam de funcionar os demônios se alimentavam de minha alma.
Mas está enganado quem pensa que eu não sabia o que fazia. Pois quanto mais fundo eu fosse, quanto mais minha alma fosse devorada… Quanto menos sobrasse de mim, mais perto estaria de enfrentar o maior dos demônios: O meu próprio demônio.

domingo, 2 de septiembre de 2012

Desmerecido descanso

Não me lembro, não me encontro
Nunca estou pronto,
Nem de perto, nem por dentro

Eu tento, e como eu tento
de tanto eu tremo
Mas estou sempre cansado,
E de cara amassada

E como cansa
Inventar um mundo por dia
Sem causa e sem consequência

Ando tenso, de tanto que tento
E ando meio sem tempo pra isso
Ou penso ou invento um sorriso
E pensar também cansa

Vejo tudo torto
E não suporto
É pesado todo esse descaso.
Eu tremo, quase morto,
Sob o peito, não lembro, preso,
Mas o ritmo deseja e apressa:
O desmerecido descanso